quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Representante de gênero musical blindado pela esquerda saúda juiz ídolo dos direitistas

Os esquerdistas mais ingênuos, que pensam que dá para fazer "cultura de verdade" usando como inspiração a música comercial que toca nas rádios e que nasceu em escritórios de gravadoras, por esta eles não esperavam. 

Uma representante do "funk", que os esquerdistas ingênuos - aqui somos de esquerda, mas não ingênuos - foi cumprimentar com empolgação ninguém menos que Sérgio Moro, juiz filiado ao PSDB, que é ídolo máximo dos direitistas e mais ainda dos fascistas.

Segundo texto do portal R7, Ludmila cumprimentou o juiz de forma empolgada, como se estivesse grata pela atuação do juiz, que segundo especialistas em direito, só comete erros e age como um carrasco parcial, nos moldes dos juízes do sistema fascista alemão.

Ludmila, que é vítima frequente de lamentáveis declarações de racismo, se esqueceu que boa parte dos racistas que a xingam são fãs fanáticos de Sérgio Moro e contam com a ação do juiz para "limpar" o país de todas as classes que supostamente ameaçam os interesses da elite branca, cristã, capitalista e patriarca.

Outra coisa a lembrar é que o evento em que Ludmila encontrou Moro é o mesmo onde o juiz foi fotografado alegremente com Aécio Neves, este envolvido em casos graves de corrupção, na presença de varias personalidades de direita.

A presença de Ludmila no evento foi pouco falada tanto pela imprensa golpista como pela imprensa alternativa. Há interesse de setores mais ingênuos da esquerda em desvincular o "funk" da direita, fazendo com que a presença da funkeira Ludmila no evento fosse ignorada ou esquecida.

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Funkeira sem noção: "censura" do YouTube faz parte da ética do site

Das duas uma: ou a arrogante e superestimada funkeira Valesca Popozuda não conhece o YouTube ou ela está querendo se promover com o episódio. Pois ela fez um clipe semi-erótico com uma música cujo nome é um palavrão e que foi automaticamente bloqueado, de acordo com as políticas de petica do site.

Não foi censura coisa nenhuma. O YouTube faz isso com todos os clipes direcionados ao público adulto, sobretudo os que possuem conteúdo relativamente erótico. É para proteger as crianças e mais sensíveis de verem cenas que eles possivelmente não irão compreender. Esse bloqueio feito pelo YouTube é normal e corriqueiro. Nunca censura.

É mais um jogo feito pela arrogante funkeira (que quer ser a nova Ivete Sangalo, no sentido de querer mandar na cultura) para se promover como "politizada", enganando os trouxas que pensam que ela quer "melhorar" a cultura com sue musiqueta ruim e sua postura de pseudo-símbolo sexual.

Funkeira sem noção: vê se desce do salto alto, assume que é ruim, feia e vulgar e aprenda mais sobre os contratos de utilização das redes sociais. Censura é o que a mídia faz, te blindando e proibindo você de ser criticada pelos muitos erros que você comete!

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Líder do Bonde do Rolê é fundador de entidade fascista

A esquerda que vê no "funk" a libertação das periferias caiu por terra. Foi revelado que o fundador da entidade fascista que ajudou a empurrar o golpe de 2016, o  ultra-retrógrado Movimento Brasil Livre (que de livre não tem nada), é o líder da banda curitibana de "funk" Bonde do Rolê, Pedro Ferreira.

As pessoas estão bem alienadas criando um maniqueísmo que diz que cultura de qualidade é de "direita" e cultura ruim é de "esquerda". É como serviço privado x público: rico consome produto de qualidade e o pobre que fique com a merda.

Mas hoje, isso nem faz sentido, se lembrarmos que os shows mais badalados de "sertanejo" e "funk" já atraem a jovem elite brasileira que vive trancafiada nos seus condomínios de luxo e nos seus caríssimos celulares de última geração, sem saber o que está acontecendo na vida real. Cantores de "funk" se encontram entre os que mais faturam em nosso país.

O "funk" carioca, o "Cabo Anselmo" do golpe de 2016, aos poucos se revela como projeto direitista para desmontar a periferia e ridicularizar as esquerdas. Triste é o pobre de esquerda que ainda se agarra ao seu queridinho "funk", seu ritmo-traíra.

terça-feira, 4 de outubro de 2016

A Alerj decidirá que 6 de janeiro é "Dia do Funk"

O "Funk" carioca, o único ritmo que tem na pose de vítima como sua principal tática publicitária, poderá ganhar a sua data comemorativa, 6 de janeiro, curiosamente um período de férias escolares e profissionais. Curiosamente a iniciativa partiu de um vereador do golpista PMDB, André Lazaroni, secretário de esportes de Eduardo Paes e que apoiou Aécio Neves.

A esquerda precisa entender que o "funk" é iniciativa capitalista de degradação das classes populares e que suas características ofendem as classes pobres. Por isso não é estranho saber que um político de direita se lança em prol da iniciativa.

A decisão é de responsabilidade da Alerj, a Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro, que não possui competência técnica para decidir sobre cultura (a competência é do IPHAN). O processo que oficializará a data ainda está em andamento.

Os defensores do nefasto gênero vão continuar nos empurrado goela abaixo este ritmo tosco, burro, grotesco, malfeito, tentando desafiar a lógica, propondo que a qualidade musical vai melhorar através da sua piora, classificando como "cultura" algo que nada acrescenta de positivo à sociedade brasileira. Durma-se com um barulho desses.


sexta-feira, 12 de agosto de 2016

"Funk" é projeto secreto da direita para derrubar a esquerda

O título desta postagem parece bombástico, soando como uma teoria conspiratória. Mas não é. É infelizmente um fato que temos que aceitar. O ritmo que muitas vezes representa a principal - senão a única - forma de lazer do povo pobre pode na verdade ser uma armadilha.

Já tinha ouvido de fontes seguras avisos de que haveria um grande número de pessoas interessadas em usar a cultura como forma de manipulação das massas e imobilização social, para os obrigar a aceitar as suas condições de inferioridade, e manter as elites sossegadas com seus privilégios.

Muita gente está sendo paga para se infiltrar nas esquerdas para desmontá-la através da deturpação da cultura pobre. Danças ridículas, ritmo que mais parece um som de videogame mal togado, letras toscas que estimulam sexo, violência e em casos mais comportados, o conformismo ("eu só quero é ser feliz na favela onde eu nasci"). Enfim, toda a construção de um estereótipo que faz com que os povo pobre seja ridicularizado e impedido de ser levado a sério em suas justas reivindicações.

Neste estereótipo, os pobres foram reduzidos a macaquinhos de realejo, que encantam quando estão dançando mas metem medo ao primeiro rugido. Não raramente corremos para longe quando os pobres começam a reclamar pelos seus direitos, como fazem os movimentos sociais hoje criminalizados pela direita fascista que secretamente controla o "funk".

Aliás, várias coincidências vem levantando suspeitas de que o "funk" na verdade é um instrumento da direita para desmoralizar os movimentos sociais. O forçamento de barra para que um ritmo feito somente para dançar e se divertir seja convertido em "ativismo de protesto", pesar de suas características mostrem o posto, pode ser uma boa pista de utilização do funk" para a manobra das massas.

Afinal seria natural que o "funk" ficasse na dele, que fosse levado apenas como forma de diversão. Mas é utilizado como "forma de auto-afirmação" do povo pobre e sua grosseria típica de trogloditas e confundida como rebeldia. Como se esfregar o traseiro na cara da elite fosse uma forma inteligente de reivindicar pelos seus direitos.

Sabe-se que o "funk" está sendo patrocinado por varias instituições de direita. O Open Society do especulador de direita George Soros (ligado a CIA americana), através de instituições afiliadas, patrocina muitas atividades ligadas ao "funk", assim como patrocinou movimentos ligados a direita brasileira, como o Vamos para a Rua e protestos organizados pelo grupo Revoltados On Line

A Rede Globo, emissora cúmplice do golpe anti-PT, é o principal canal de divulgação do "funk", com muitos funqueiros contratados pela Som Livre, braço musical da emissora. Mr Catra é amigo íntimo de Luciano Huck, parceirão de Aécio Neves, além de ser machista, como a esquerda condena. MC Leonardo se tornou conhecido graças ao cineasta de direita José Padilha, integrante do instituto neo-medieval Millenium. Vários funqueiros assumiram posturas elitistas após se enriquecerem, enterrando o passado sofrido que tinham.

Fatos estranhos acontecidos recentemente sugerem que toda vez que a direita ameaça fracassar, uma polêmica envolvendo o "funk" é lançada à tona na tentativa de amordaçar a esquerda para proteger a direita. No dia do julgamento do impeachment de Dilma, a Furacão 2000 fez uma festa de despedida para a presidente em um show gratuito na Praia de Copacabana, que atraiu um numero imenso de pessoas.

Estes e outros fatores provam que o "funk" é na verdade um instrumento usado pela direita para imobilizar as classes populares. Nada mais fácil e indolor (sem armas, sem tiro, sem derramamento de sangue) que derrotar o povo pobre distorcendo a sua imagem, cada vez mais ridicularizada. Danças ridículas calam mais do que mordaças.

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Falsos nerds fazem "funk" sobre video-game

Se eles dizem "está tudo dominado", eu digo que está tudo errado. Parece que além da cultura brasileira estar morrendo para dar lugar a um bando de picaretas popularescos (axé, pagode, "sertanejo", "funk", brega e afins), semi-analfabetos, a cultura nerd brasileira, que nem nasceu direito, já é sufocada por um bando de farsantes que só por não terem o porte físico de um jogador de vôlei, já se acham os maiores nerds, como se ficar mais de 4 horas na frente de um computador fosse a única condição para se tornar um nerd.

Esses bestalhões do Sub Zero (deve ser primo do NX Zero - a cara de emos sem maquiagem não engana) criaram uma porra chamada de "Funk do Mortal Combat", que parar mim soa como algo criado por quem não tem mais o que fazer. Brega é a palavra que se encaixa com perfeição nessa idiotice.

Se bem que o "funk" mais parece ruído de video game. Ou seja barulho. Nada em de musical muito menos de cultural e menos ainda de cultura nerd. A não ser que Fernandinho Beira Mar seja o maior nerd do Brasil.

Se acham que arrumar mulher está difícil - e está mesmo! - porque não aproveitam o tempo livre para fazer algo de mais produtivo, ao invés de estragar a nossa já finada cultura, repleta de gente sem talento e de baixíssima escolaridade,encarregada de destruí-la em troca de alguns trocados.

Sub Zero, assumam: vocês não sabem fazer música, como nenhum funqueiro de meia tigela não sabe. Tentem ganhar dinheiro de outra forma, vendendo video game, ora. Com isso, ficarão bem mais ricos e não estragarão a nossa cultura.

E vão catar mulher que é melhor! Como vocês não são nerds, vão conquistar mulher rapidinho.

Procurem o tal vídeo. Não coloco aqui porque terei que pedir licença parar ir ali no cantinho para poder vomitar....

-------------------------
NOTA: Ainda bem que os infelizes declararam em uma entrevista que não são nerds. Dá para ver que não são. Nerd legítimo não faz isso. Funk (legítimo), para os nerds, é isso aqui.

Se os mauricinhos do Sub-Zero continuassem insistindo nesse papo de "ser nerd", eu chamaria os seguranças da Lambda, Lambda, Lambda para dar uma boa sova nesses filhos de uma égua!

domingo, 17 de julho de 2016

Rodrigo maia tem primo funqueiro

Os funqueiros, representantes do ritmo mais hegemônico do Rio de Janeiro e que se preparar para impor uma monocultura, querem tomar o poder apesar da pose de coitados e das alegações de preconceito e exclusão. E poderão estar no poder mais cedo do que se pode imaginar. 

O recém eleito Presidente da Câmara Rodrigo Maia, filho do influente César Maia, tem um primo conhecido como MC Geléia (foto) e o chamou para ser seu assessor. Maia não vê nepotismo e alega legalidade pelo fato de Geléia ser também líder comunitário e "conhecedor dos problemas de sua localidade".

Mas de qualquer forma já é um sinal de que o hegemônico "funk" quer tomar o poder político e encontrou uma forma de entrar na política pela porta da frente.

Lembrando que a esquerda apoiou Rodrigo Maia, membro do DEM, partido que foi u dos responsáveis pelo golpe que tirou a presidente eleita  Dilma do poder. Os esquerdistas são otários em apoiar o "funk" o "Cabo Anselmo" dos dias atuais. Estão colocando as suas cabeças na guilhotina.

Alienados os que pensam que os funqueiros estão com as melhores intenções do mundo. Na hora certa, quando os esquerdistas se distraírem, chegam os funqueiros e "créu"! A democracia vai abaixo!